domingo, 15 de maio de 2011

Sopa de mãe

Como já contei (me desculpem a repetição, mas os dias aqui têm esse foco), nesse período de convalescência de um AVC de minha mãe, ando incorporada da mãe inexperiente que fui aos 20 e poucos anos, revivendo a rotina de cuidados e preocupações, às vezes com o coração na mão, em outras, com ele aos pulinhos de contentamento por alguma novidadezinha positiva, como a sua escolha pelo vermelho Gabriela para pintar as unhas na semana passada. Sinais sutis de recuperação de sua essência vibrante, super valorizados quando sabemos que ela é responsável por muito da melhora. Ao vê-la com as mãos impecáveis e coloridas, lembrei de um amigo querido que costumava receitar às amigas em dias de astral desbotado: "Passa batom vermelho nessa alma, menina!". Ainda que pouco siga o exemplo de capricho e vaidade de minha mãe, e não passe além de uma base nas unhas e um batom cor de boca, reconheço a força desses recursos femininos, e me esmero em elogios a cada demonstração sua de motivação por utilizá-los.


Mas como nem só de bom astral se faz uma recuperação, ando às voltas com sua alimentação feito "passarinha" buscando o que de melhor a natureza oferece para desperta-lhe o apetite. Inicialmente, ela comendo também em porções de passarinho, "ciscávamos" aflitos ao seu redor , buscando alternativas que pudessem lhe apetecer. Terminado o dia, fazia um balanço de sua ingesta, como as mães de filhos "enjoados" pra comer costumam encerrar a jornada, e para tentar me acalmar, muitas vezes lembrei da Fernanda Reali, que certa vez comentou que suas refeições são feitas em tigelinhas, quantidade suficiente e bem-balanceada para seu gasto energético. Contei a ela dias desses sobre sua presença à distância, e mais uma vez sua generosidade me enterneceu. Minutos depois, a resposta do e-mail veio recheada de dicas para enriquecer a alimentação da dona Lili, todas testadas e aprovadas com seus filhos. Deixei para agradecer publicamente aqui: Fernanda, querida, teu gesto só reforça a certeza de que sempre temos algo a dar, e que essas doações são pontinhos de luz poderosos. Somados, são eles que nos sustentam e amparam. Obrigada!


Boa de garfo a vida toda, e tendo que manerar nos últimos anos devido à diabetes, montar o cardápio da nossa convalescente que precisa ganhar um quilinhos é um exercício de criatividade. Mas o que não se consegue quando se busca informação daqui e dali e se arregaça as mangas e veste o avental com obstinação, não é mesmo? O que tem nos salvo é que a boa de garfo também é muito boa de colher (rs). Ama sopas! Por consequência, estou me tornando uma expert em caldos, cremes, sopinhas e sopões (porque de vez em quando vale um pecadinho de carboidratos, esses danados que se transformam em açúcar), como já fui na época em que aquele menininho chato pra comer, hoje chef de cozinha, me desafiava balançando a cabeça em negativa, cerrando a boca. Então, parte das minhas manhãs ganhou a rotina de inventar uma surpresinha culinária para oferecer-lhe à noite. O almoço fica a cargo do seu anjo protetor, seu João, que apresentei aqui por seus dotes como cozinheiro, em especial, no preparo de pães, não é, Laély?


Como o frio vem dando o ar de sua graça, e o vento minuano logo deve estar assobiando por essas paragens (o que faz essa calorenta dar pulinhos de alegria), achei que gostariam de compartilhar dessa invenção "caldosa" bem própria para o inverno. Dona Lili e Bruno, seu outro neto, aprovaram tanto a "sopa de bolas", assim batizada por ele, que agora só recebo pedidos para reprisá-la outra vez e outra vez...




Sopa de bolas


Sigo e persigo a sopa de legumes imbatível da dona Lili fazendo assim: preparo um caldo de carne (de preferência com carne de segunda retirando as gorduras, refogada com cebola e tomates sem pele) e depois junto diferentes legumes e hortaliças: cenoura, chuchu, moranga, vagem, abobrinha, milho verde, espinafre (acrescento no final)...


Para as "bolas", uma versão de um prato alemão (kles?) que comia em estado de graça quando criança na casa da minha amada e saudosa Tadadi: bato dois ovos com uma pitada de sal, bem pouquinho de leite e farinha de trigo suficiente para deixar uma massa firme mas molinha, no ponto de escorregar da colher.
Quando a sopa está pronta, ainda no fogo, com uma colher de sobremesa vou deixando cair pequenas porções da massa no seu caldo.


Cozinho por mais alguns minutinhos, as "bolas" crescem e o caldo engrossa. Então tá prontinha para ir para um pote e, depois de fria, para a sacolona que faz o vaivém diário da minha cozinha à mesa da criaturinha que, como criança mimada, mal me enxerga e já pergunta: "O que temos para a janta de hoje?".


Porque ser mimada é tão bom, fico surda aos alertas sobre os perigos da superproteção e dou voz ao que manda meu coração, com perdão da rima simplória e do chavão: amor e caldo (grosso de carne) não fazem mal a ninguém.


Um domingo amoroso a todos que também não poupam carinho e me abastecem de mimos com suas visitas e comentários aqui. Amém!

14 comentários:

✿ chica disse...

Adoro esses kless e minha mãe fazia nas raras vezes que cozinhava.

Até hoje faço aqui em casa,todos gostam...

Tudo de bom pra ti, pra tua mãe também!

beijo,lindo dmingo,chica

Adriana disse...

QUANTO CARINHO! QUE BOM TER UMA FILHA ASSIM, TÃO DEDICADA! SUA MÃE MERECE, NOSSAS MÃES MERECEM!!!
A FERNANDA REALI É UM AMOR, CONHEÇO-A HÁ POUCO TEMPO, MAS DE VEZ ENQTO LEIO ELOGIOS A ELA EM BLOGS AMIGOS!

BEIJOS, ROSANA E MELHORAS A SUA MÃE, COM ESSAS SOPINHAS MIRACULOSAS DE FILHA AMADA!

Rosana Remor disse...

Rosana,que filha amada é vc!!Meu Deus...um exemplo de fé,força,alegria,amor,tudo junto em doses perfeitas!!Esta sopa não é de bolas, é de sementes...sementes de afeto, de generosidade,de paciência, de cura...Coisas que faltam tanto nesta vida, há tantas pessoas!Deus abençoe vc e sua santa família!Amém!

Ivani disse...

Querida Rosana, fico tão feliz quando você escreve!
Saber que sua mãe está progredindo é para mim motivo de muita alegria.
Sua sopa deve ser deliciosa, vou tentar fazer um dia desses, fiquei com vontade.
Que tudo continue como está, melhorando dia a dia.
beijo

Anita disse...

Com esse carinho e tratamento tenho certeza que a recuperação total de sua mãe virá em breve. E essa sopinha é tudo de bom, adoro sopas e caldos, bjs.

Marina Mott disse...

Sigo rezando para que logo tudo esteja uma calmaria...que a gente só vê como é bom quando sai dela, não é?
Esse seu cuidado e carinho só pode fazer tudo ficar bem! Muita força e um beijo grande!

c r i s disse...

Oi Rosana, embora tenha respondido por e-mail e perguntado também como andava tudo por aí, já me sinto respondida e esquentada por essa sopa, já vou tirar receita, pois parece daquelas esquenta-tudo, tiro e queda!

Siga seu coração que deve sempre seguir quentinho feito sopa de mãe (ou filha). Bjo e boa semana!!

Adorei a tira! Kkkkk!

Solange Fernandes disse...

ou estar rezando para sua mãe se restabelecer logo. Passei 38 dias na uti com minha Valentine quando ela nasceu, e sei bem o que é esta preocupação. Bjs

Laély disse...

Ei, querida!
Fico contente que, apesar dos cuidados e afazeres ainda encontre tempo e ânimo para "passar batom vermelho nessa alma"!( Gostei! rs)
O frio também começou a dar as caras por aqui e meu atual pecado calórico é render-me a um bom pratão de sopa de agnoline, bem mais simples que a sua.
Abraço quentinho pra você e a família!

Léia Cook disse...

Meu pai, uns dias antes de morrer, no hospital falou pra minha mãe: "Lili passa um batonzinho, tu ficas mais bonita".
Muito carinho, amor e paciência pra vc e bom restabelecimento e saúde para sua mãe.

Bjsss

Jô Bibas disse...

Rosana,
Adorei essa receita! minha mãe também fazia, vou dar um toque nela para fazer de novo. Eu lembro que era uma delícia. Dá uma olhada nesse post onde coloquei a receita do klöse que fiz no Natal: http://arteamiga.wordpress.com/2011/01/11/casa-cheia/
Até,

Fabiano Mayrink disse...

São estes gestos singelos que por magica caem como purpurina perto de nos que faz cada dia ser especial, que sua maezinha melhore cada dia mais como vc diz amem! peguei o amem rs!

Fernanda Reali disse...

Rosana, muito obrigad apor me citar de forma tão carinhosa! Foi o fof do fabiano quem me avisou deste post.

Amiga, espero que tua mãe esteja melhor e que os cuidaod com ela deem efeito logo, para que tu possas voltar a cuidar mais de ti. Eu adorei ler que ela quis pintar as unhas de vermelho, muito bom!

Tive uma semana com dor e consulas mpedicas, uma cistite forísima, e já aproveitei para fazer umcheck up daqueeeeles, qeu vai durar ainda mais umas 2 semanas, de tão minuciso. A gente tem que se cuidar.

Ontem, minha filha Helena caiu na escola, sofreu um acidente dolorido, sangrou muito, quebrou um dente. à noite, nao queria comer nada por causa da dor na boca. Então coei um caldo de feijão bem grossinho, um purê de batatas bem ralinho, uma rodela de cenoura, um pedacinho de brócolis e montei este prato. Ela o devorou em menos de 5 minutos! Ficou muito feliz com a surpresa deste jantar e me disse que nunca mais vai esquecer. Veja...

http://twitpic.com/59qmyf

um beijooooo
obrigadaaaa

Cintia Branco disse...

Rosana,


sua sopa de bolas virou conversa no twitter, eu como sou apaixonada por clês tive que exaltar todas as qualidades desse prato típico daí do sul, porque ninguém mais conhece, rs. Faço sempre como nhoque, já que não como batatas e adoro uma massa essa é a solução para saciar minha gula. vou tentar na sopa.
Grandes beijos e ótimo final de semana