terça-feira, 13 de abril de 2010

Por um fio...

... do telefone arrebentado do poste por um caminhão e a ineficiência da Oi para consertá-lo, passei quatro dias numa ilha sem comunicação, nem por voz, nem por texto, restando-me um celular com sinal comprometido e tentativas de sinal de fumaça e telepatia. A abstinência desse mundo paralelo ainda me surpreende e me faz meio apreensiva com o desassossego que a sua falta provoca. Então, para preencher o vazio dessas horas estranhamente livres, capturei e armazenei imagens e títulos, viajei em detalhes que despertam para divagações, talvez compreensões... como as borboletas que visitaram meus olhos muito próximas e também elas em situações atípicas. A preta, malabarista, balançou-se no jovem cipó por mais de hora, e pediu paciência à fotógrafa. Toda vez que esteve prestes a estabilizar-se, abria rapidamente três vezes suas asas, mostrava seus grafismos vermelhos e brancos, o fio voltava a balançar e os registros, a perder o foco. Enquanto respirava curtinho para não assustá-la, examinei cada detalhe da sua anatomia esbelta e forte, mais ainda suas "perninhas", quase um fio de linha de tão finas, capazes de sustentar seu corpo feito para voar com tanta tenacidade. Se quem pode voar longe, entre aromas e cores, vez que outra prefere brincar de balanço, agarrada a um cordão verde frágil, por que não poderia eu também sair do rota dos dias e me deixar embalar por outros pequenos prazeres? Seria este o recadinho da figura alada para essa temporada longe do teclado e da tela? Precisei acreditar que sim...
Acreditei mais ainda que era tempo de retomar o olhar acordado para o extraordinário, que tantas vezes está ao lado, quando outra criatura alada me recepcionou para o café do manhã assim, pendurada de cabeça para baixo. Às vezes é preciso um sacrifício para se ver a vida por outro ângulo - lembra a borboleta da noite (bruxa? clique nela para ver a beleza da estampa das asas) que lembra um arcano do tarô com nome meio assustador: o Enforcado. Essa leitura de possibilidade de visão ampliada que nossos períodos com o "pé amarrado, de ponta a cabeça, na beira de um precipício" nos oferecem ainda é nova para meus pequenos conhecimentos das cartas arquetípicas. Aprendi recentemente com a Cláudia, do Via Tarot, que repassa diariamente sua bagagem grande de conhecimento com a maestria de escritora fluente que é. Para saber muito mais sobre essa ferramenta potente de autoconhecimento, clique aqui e pegue essa via.

E como também aprendi com outros mestres queridos que a premissa básica para se manter "a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo" é crer para ver, dediquei os dias desconectada a uma imersão na geometria sagrada.
E circulei, circulei, circulei... para matar a saudade das mandalas, que nascem assim...
ganham relevo para delimitar seus territórios...
e depois cor, às vezes em sobretons, às vezes em contraste...
tal como os dias, serenos ou vibrantes, com a alegria por um fio ou plugada a muitos fios de fé.
E para dizer o amém, em total sintonia, vejam só quem pegou carona no post há pouquinho, a bordo da borboleta azul!
Tá bom, caroneiro, já entendemos a mensagem (e prometo não esquecer tão rapidinho): louvar é preciso, em tempos de voo, em tempos de pouso.

16 comentários:

Lu Pietra disse...

Oi Ro....aqui em casa tb tem vindo mais borboletas....eu adoro elas...as suas mandalas são lindas demais....vou comprar uma assim que puder...ainda to tentando ver como colocar xerox no tecido...fiz umas aplicações ...ta la no blog...mas queria fazer umas almofadas...ai n~pode ser papel...o que sera que posso passar...para transferir. pro tecido...uma hora eu acho a resposta...
beijos....

Solange Fernandes disse...

Rosana! Sei bem o que ficar sem ter contato, passei isto no final do ano passado.
Mas isto nos da tempo para prestar atenção em outras cosias que talvez nos passaria desapercebido, estando conectadas.
As borboletas sempre me fascinaram, tenho até superstição,rsrs. Uma hora te conto.
Amei o bule e a mandala esta linda, linda, amei as cores. Acho que é por estar faltando em minha vida.
Seus textos sempre me encantam. Bjs

rosana sperotto disse...

Oi, Lu! Deixei um link do bananacraft que ensina a copiar imagens para o tecido com transfer. Tomara que ajude e possas fazer muitas artes com elas... Beijos!

Ô Solange, quero conhecer tuas histórias com as borboletas, também tenho um vínculo muito forte com elas. Obrigada por se encantar com o que inspira por aqui, querida, e vamos tratar de colorir os dias, né? Beijo grande

Fala Mãe! disse...

Rosana querida, eu sinto raiva de mim mesma por me desesperar quando a internet e telefone falham por aqui. Sinto uma dificuldade enorme de comtemplar outras coisas como fazia antes da internet existir, quero desapegar, ô vício rs..
Sabe que faz tempo que não vejo uma borboleta, acho que não frequentam prédios rsrs Lembro muito da minha infância... e besouro? Nunca mais vi por aqui, saudades da roça rs...
Suas mandalas são incriveis!
gde abraço

Laély disse...

Tô vendo que esse tempo, longe das comunicações, foi produtivo.
Acho que eu precisaria passar uma semana naquela casa, lá no mosteiro, para conseguir colocar algumas coisas em ordem por aqui.
Mas a espera "valeu a pena, pois a alma não é pequena"...
Abraço!

rosana sperotto disse...

Cynthia, nem me fala do medo que esse vício me dá, sabendo das minhas compulsões... Hoje ainda tô me permitindo ficar mais tempo aqui para tirar o atrasado, mas isso vai ter que mudar. A satisfação de produzir, ficar mais tempo no meu quintal, ler, assistir filmes não pode ser sacrificada por essas viagens sem-fim pela net, né? Ai, querida, me deu um aperto no peito estares tão longe das belezas da roça. Ontem mesmo vi um besourão na alamanda e quis fotografar, mas o danado escapou rapidinho... Beijo das borboletas daqui!

Laély, já pensou uma semana naquele lugar, com a mochila recheada de materiais e ideias? Um sonho zen, mas confesso que me pergunto se aguentaria tanta paz, como diz a Jane (rsrs). Mais notícias por e-mail, mais tarde. Abraço grande!

Cecilia e Helena disse...

Ai, eu quero bordar uma mandala dessas! Que lindas, Rosana!!!

rosana sperotto disse...

Helena, "transmimento de pensasão" o nosso!! Estou obcecada pela ideia de bordar umas mandalas, só contornos, com correntinha ou ponto atrás, ou pintar e contornar... Se precisar de modelos, é só dar um alô, tá? Beijos

Lu Pietra disse...

Oi Ro...obrigada pelo site...vou ver como funciona...

Ah....TEM UM SELINHO LA NO MEU BLOG PRA VOCE...

Obrigada....

Namaste.

Mari disse...

Olá Rosana,
Essas borboletas, essas mandalas e tudo transmutado em poesia..... só mesmo uma doce pessoa como você! li outro dia, não sei onde que ...Borboletas são flores que o vento tirou pra dançar... Achei tão bonitinho. Beijos

msgteresa disse...

Alo,Rosana!
Bem que eu notei que voce estava meio sumida...Entao voce estava voando com as borboletas,hein?
E que lindas companheiras de voo elas sao! Digo isso porque as vezes eu saio voando com elas tambem...Voos suaves e tranquilos entre flores coloridas e arbustos esquecidos...Sao aquelas horas em que a gente se deixa levar pela magica da imaginacao,e quando ve ja se esta longe...La do outro lado de um sonho acordado...
Sao nestas viagens que a inspiracao nos pega pelas maos e nos conduz a uma nova forma de recriar a nossa realidade...
E com as tuas maos ja encantadas,vieram as lindas mandalas...As cores tao belas...Certamente inspiradas nas amigas borboletas...Tudo muito bonito!
Ah,Rosana...E verdade o que voce relatou...As vezes e preciso se desligar das coisas que nos absorvem no dia a dia para poder prestar atencao nas pequenas belezas que estao ao nosso redor...E isso tudo nos faz descobrir que e preciso muito pouco pra se sentir feliz!
E voltando as borboletas...Que seres maravilhosos elas sao! Tambem gosto muito delas...E que delicia foi,outro dia, depois de toda essa chuva,ve-las de volta ao quintal
com seus voos leves e tranquilos...Encheram o nosso ar de alegria e esperanca...Colorindo o nosso viver de cada dia!
Um abraco carinhoso e colorido pra ti!
Da carioca aprendiz nas artes do voo,
Teresa

Doces Abobrinhas da Roberta disse...

a mensagem serviu para mim tbem,! um bj doce e apareça nas abobrinhas!

Isis disse...

Que coincidência...
Minha amiga publicou uma foto o ano passado de um grilo hospedado em uma das mandalas que ela havia feito. O detalhe é que ela mora em apartamento em Sampa e não soube como foi que ele chegou lá no endereço dela...rsrs
Acho que eles gostam de mandalas bonitas...rsrs
Beijos Rosana...

rosana sperotto disse...

Teresa, minha querida, como assim aprendiz nas artes dos voos? És uma borboleta que bate as asinhas em cada frase suave e colorida! Beijos carinhosos

Oi, Roberta! Aceitei o convite e já estive lá no Abobrinhas me deliciando com as tuas belezuras. Beijo doce pra ti também!

Ísis, o louva-a-deus foi mesmo uma surpresa que me fez falar sozinha assim que pousou na borboleta ao meu lado enquanto postava. Imagino a cena com tua amiga... Acho que eles, grilos e derivados, têm bom gosto, né? (rsrs) Beijos

Cláudia Mello disse...

Rosana, minha irmã! :-)

Somente agora, de noite, consegui a tranquilidade para vir passear por aqui...

Pois bem... adoro os seus textos! A suavidade com que vc vai costurando assuntos é linda. Também adorei olhar as suas mandalas em processo de confecção. Elas são muito, muito, lindas!

Obrigada pela citação do meu querido Via Tarot (mãe coruja sempre gosta de elogios...rs), fico muito feliz em conseguir transmitir o que aprendi nestes 20 anos de relacionamento com o tarot e como apaixonada que sou, continuo me surpreendendo com as mil possibilidades de autoconhecimento e reflexão que esse sistema nos oferece, isso sem falar da manifestação clara da sincronicidade que mestre Jung nos ensinou.

Um grande beijo e final de semana bem gostoso pra vc!

JUNIOR OMNI disse...

"...A VIDA É UMA ENGRENAGEM EM MOVIMENTO..."